1. O Profeta Amós, Seu Tempo e Seu Livro

Por

O Profeta Amós:

Amós era natural de Tecoa, uma aldeia quase 10 km ao sul de Belém, cujas ruínas ainda estão preservados em nome moderno de Tekua.

Suas atividades podem ser dividias em três seguimentos

  1. Ele era um pastor de ovelhas;
  2. A palavra “Boieiro” pode significar que também trabalha com gado;
  3. Também trabalha como “Riscador de Sicômoros” – uma espécie de figo-bravos que era furado com um prego ou riscado. Isso fazia com que ele crescia até oito vezes mais. Se isso não fosse feito, ele apodreceria antes de madurar ou serviria para insetos depositarem seus ovos.

Ele dependia do comércio que estava ligado diretamente à sua produção e sofria as injustiças das autoridades, dos ricos e poderosos.

Ele era um proprietário bem sucedido, e também um simples trabalhador, mas mantinha-se humilde – Amós 7:14,15 com Amós 1:1.

Quando ele destaca que:

  • Não era nem um profeta,
  • Nem o aluno de um profeta,
  • Nem filho de profeta,

Ele estava dizendo que Deus o tirou “Por Detrás das suas atividades simples“.

Ele não havia sido chamado desde o ventre de sua mãe como alguns profetas foram, mas o Senhor o chamou no meio de sua história porque precisou de seus serviços.

Isso é glorioso porque sempre vemos nas Escrituras as intervenções do Criador para alcançar os homens.

a minha história e a sua pode ser uma dessas intervenções e não podemos perder nosso momento.

Localizando Amós no Tempo

É importante localizar o profeta no “Tempo-histórico”, pois sabemos que os livros da Bíblia não estão organizados cronologicamente.

Sua atividade profética vem pouco antes que Oséias, mas são contemporâneos, apesar que na ordem o livro de Oséias vem antes do livro de Amós.

Amós escreveu seu livro depois de Joel, cujos escritos leu ao compor o seu. Afirma-se que ele profetizou nos dias de Uzias, rei de Judá, (1:1).

Seu marco no tempo-espaço-histórico foi pelo “grande-terremoto” também mencionada no Zc.14:05, e confirmado por Josefo (Ant. ix. 10. 4), como um sinal de descontentamento divino, além de lepra, contra Uzias, por usurpar as funções sacerdotais.

Foi marcado também pelo período de esplendor e prosperidade nacional para Israel sob Jeroboão II. O reino de Israel foi restaurado para os seus limites antigos, e pôs-se no auge de seu poder.

Israel estava vivendo dias de luxo, libertinagem, o que provocou o juízo de Deus.

O Livro do Profeta Amós

Composto por nove capítulos, contendo ameaças contra o reino de Israel, principalmente.

Nações vizinhas são brevemente notadas e exposto seus pecados e punições em primeiro lugar.

Também o livro traz uma promessa de libertação e prosperidade que é dado a Israel a sua análise.

Primeiro, um prelúdio solene (cap. 1-2; 1-5) para o assunto principal. Nação após nação é convocado para julgamento, com uma expressão idiomática impressionante (“Por três transgressões e por quatro”.), Similar ao Prov. 30:15, 18, ​​21.

Após a introdução, temos as seguintes observações sobre o Livro

  1. Dos Capítulos 3 a 6 temos taxas especiais e ameaça.
    • Capítulo 3: Vem a certeza da vinda do julgamento; para o profeta de Jeová, não se pode falar em vão.
    • Capítulos 4: declara que o Senhor já havia dado visitações anteriores e tinham sido em vão – só resta agora Deus punir.
    • Capítulo 5: temos o clamor de calamidade com chamadas para buscar o Senhor e escapar de seu juízo. É um pronunciamento para aqueles que desejam o dia do Senhor que viria, mas que ainda não estão preparados para isso.
    • Capítulo 6: Adverte aqueles que preferem que o dia do Senhor esteja longe, e que continuam em loucura ultrapassando os limites.
  2. Dos Capítulos 7 a 9 temos as cinco visões.
    • Capítulo 7.1-6 Os dois primeiros julgamentos ameaçam;
    • Capítulo 7.7-9 e 8.1-3 Mostram que as pessoas já estão maduras para receberem o que plantaram.
    • Capítulo 7.10-17 O profeta Amós é interrompido pelo sacerdote de Betel.
    • Capítulo 8:4-14 Já na quarta visão termina em um discurso profético simples
    • Capítulo 9 temos a quinta visão, a derrubada e destruição de Israel e está ligado a promessa de restauração do reino caído e sua extensão em nações dos gentios, e sua glorificação eterna.

Seu estilo de escrita indica o vigor da mente e da grande cultura moral.

A terra com as suas vinhas, os céus com luzes, e as cidades em seu luxo, dão beleza a suas concepções.

Os acontecimentos históricos e costumes nacionais mostram que ele era um estudante da lei, bem como.

Amós entendeu as relações do físico ao moral, e maravilhosamente combinado a justiça e a misericórdia de Deus.

Ele era um homem de oração e coragem moral. Amós desprezou meras formas de adoração, e sentiu que o arrependimento era um trabalho espiritual. Ele valorizava a revelação divina, e para o trovão de reprovação ou os tons suaves de misericórdia para ficar em silêncio diante de tudo era para ele o maior dos males.

Vamos tentar trazer para fora as belezas escondidas de sua linguagem, aplicar suas lições aos eventos dos dias atuais, e com a ajuda de Deus, em um método em que nenhum outro escritor ainda fez, expor a profecia para auxiliar a missão do púlpito.

Deixe uma resposta