Introdução Ao Livro de Gênesis

A introdução ao livro de Gênesis nos mostra o design da criação. Seu rico conteúdo faz entender que sem Gênesis, nenhum outro livro faz sentido neste mundo.

O primeiro livro de Moisés, que tem a inscrição בראשׁיח no original, e é chamado de o livro das criações por vários Rabinos, por isso recebeu o nome de Genesis devido a todo o seu conteúdo.

Veremos na Introdução ao Livro de Gênesis o quanto o mundo precisa da teologia da criação e como isso reflete em todos os demais temas do ser humano

Introdução Ao Livro de Gênesis

Começando com a criação do céu e da terra e concluindo com a morte dos patriarcas Jacó e José, este livro nos fornece informações a respeito não apenas dos primeiros começos e estágios iniciais do mundo e da raça humana, mas também às instituições divinas que lançaram os alicerces para o reino de Deus.

Para fazer a Introdução Ao Livro de Gênesis, numa visão panorâmica mais longe, começa com a criação do mundo, porque os céus e a terra formam a esfera designada, no que diz respeito ao tempo e ao espaço, para o reino de Deus; porque Deus, de acordo com Seu eterno conselho, designou o mundo como cenário tanto para a revelação de Sua essência invisível, como também para as operações de Seu eterno amor dentro e entre Suas criaturas; e porque no começo Ele criou o mundo para ser e se tornar o reino de Deus.

Você também pode ver uma divisão e queda da criação para um melhor domínio sobre os primeiros dois capítulos

A criação do céu e da terra, portanto, recebe como centro o paraíso; e no paraíso, o homem, criado à imagem de Deus, é a cabeça e a coroa de todos os seres criados. A história do mundo e do reino de Deus começa com ele.

Ao desobedecer a Deus, trouxe morte e corrupção em toda a criação (Gênesis 3:17; Romanos 8:19.); sua redenção da queda será concluída na e com a glorificação dos céus e da terra (Isaías 65:17; Isaías 66:22; 2 Pedro 3:13; Apocalipse 21: 1).

Pelo pecado, os homens partiram e se separaram de Deus; mas Deus, em Sua infinita misericórdia, não se separou dos homens, de Suas criaturas. Não somente Ele anunciou a redenção junto com a punição imediatamente após a queda, mas a partir de então continuou a revelar-se a eles, a fim de atraí-los de volta a si mesmo e conduzi-los do caminho da destruição ao caminho da salvação.

Logo no início da Introdução Ao Livro de Gênesis, percebemos através dessas operações de Deus (as teofanias), ou revelações por palavra e ação, o desenvolvimento histórico da raça humana tornou-se uma história do plano de salvação.

O livro de Gênesis narra essa história em esboços amplos, profundos e abrangentes, desde o primeiro começo até a época dos patriarcas, que Deus escolheu dentre as nações da terra para ser os portadores da salvação para o mundo inteiro.

Esse longo espaço de 2300 anos (de Adão ao dilúvio, 1656; até a entrada de Abrão em Canaã, 365; até a morte de José, 285; ao todo, 2306 anos) é divisível em dois períodos.

Para um maior domínio sobre a chegada de Abraão ao palco da criação você entenderá melhor seu papel logo na Introdução Ao Livro de Gênesis

Introdução Ao Livro de Gênesis: A Era Primitiva

O primeiro período da Introdução Ao Livro de Gênesis, abrange o desenvolvimento da raça humana desde sua primeira criação e sua dispersão sobre a terra, e a divisão da raça em várias nações, com diferentes idiomas (2: 4-11: 26); e é dividido pelo dilúvio em duas idades distintas, que podemos chamar de idade primitiva e idade preparatória.

Tudo o que está relacionado à era primitiva, de Adão a Noé, é a história da queda; o modo de vida e a longevidade das duas famílias que descendem dos dois filhos de Adão; e a disseminação universal da corrupção pecaminosa em consequência do casamento entre essas duas famílias, que diferiam tão essencialmente em sua relação com Deus (2: 4-6: 8).

A história primitiva termina com o dilúvio, no qual o velho mundo pereceu (6: 9-8: 19).

Introdução Ao Livro de Gênesis: A Era Preparatória

Na era preparatória, de Noé a Terá, pai de Abraão, temos um relato da aliança que Deus fez com Noé, e das bênçãos e maldições de Noé; as genealogias das famílias e tribos que descenderam de seus três filhos; um relato da confusão de línguas e da dispersão do povo; e a tabela genealógica de Sem a Terá (8: 20-11: 26).

O segundo período da Introdução Ao Livro de Gênesis, consiste na era patriarcal. A partir disso, temos uma descrição elaborada da vida dos três patriarcas de Israel, a família escolhida para ser o povo de Deus, desde o chamado de Abraão até a morte de José (11:27 a 50:26).

Assim, a história da humanidade é reunida na história da única família, que recebeu a promessa, de que Deus a multiplicaria em um grande povo, ou melhor, em uma multidão de povos, tornaria uma bênção para todas as famílias da terra, e daria a terra de Canaã por possessão eterna.

Estudando o Livro de Gênesis: O Design do Livro

Essa pesquisa geral será suficiente para revelar o design do livro de Gênesis, a saber, relacionar a história primitiva do reino de Deus no Antigo Testamento.

Por uma descrição simples e não envernizada do desenvolvimento do mundo sob a orientação e disciplina de Deus, mostra como Deus, como preservador e governador do mundo, lidou com a raça humana que Ele havia criado à Sua própria imagem e como , apesar de sua queda e através da miséria que se seguiu, Ele preparou o caminho para o cumprimento de Seu desígnio original e o estabelecimento do reino que traria salvação ao mundo.

Apesar do Pecado, Deus Continua Seu Trabalho

Ao analisarmos a Introdução Ao Livro de Gênesis, vemos que apesar das bênçãos concedidas à sua criação, a raça humana não terminou ali – pelo contrário, de um único par para famílias povoou a terra e criou nações;

Deus conteve o mal que o pecado havia introduzido, por palavras e ações e pelo anúncio de Sua vontade em mandamentos, promessas e ameaças, e pela imposição de punições e julgamentos aos desprezadores de Sua misericórdia.

Desde o princípio havia uma lei de separação entre os ímpios e os que temiam a Deus, com o objetivo de preparar e preservar uma semente santa para o resgate e salvação de toda a raça humana.

Essa dupla lei é o princípio orgânico que está na raiz de todas as separações, conexões e disposições que constituem a história do livro de Gênesis.

Estudando Gênesis: A Lei da Reprodução e a Lei da Seleção na Introdução Ao Livro de Gênesis

De acordo com a lei da reprodução, que prevalece na preservação e aumento da raça humana, as genealogias mostram os limites históricos dentro dos quais as pessoas e eventos que marcaram as várias épocas estão confinados; enquanto a lei da seleção determina a organização e subdivisão dos materiais históricos utilizados.

Estudando o Livro de Gênesis: 10 Grupos e 02 Períodos

No que diz respeito ao plano do livro, o conteúdo histórico é dividido em dez grupos, com o cabeçalho uniforme:

“Estas são as gerações” (com exceção de Gênesis 5:1: “Este é o livro das gerações” ); o relato da criação que forma o substrato do todo.

Esses grupos consistem no (Tholedoth):

  1. Dos céus e da terra (Gn 2: 4-4: 26);
  2. De Adão (Gn 5: 1-6: 8);
  3. De Noé (Gênesis 6: 9-9: 29);
  4. Dos filhos de Noé (Gênesis 10: 1-11: 9);
  5. De Sem (Gn 11: 10-26);
  6. De Terá (Gn 11: 27-25: 11);
  7. De Ismael (Gênesis 25: 12-18);
  8. De Isaac (Gn 25: 19-35: 29);
  9. De Esaú (Gen 26); e
  10. De Jacó (Gn 37-50).

Existem cinco grupos no primeiro período e cinco no segundo.

Embora, portanto, os dois períodos diferem consideravelmente em relação a seu escopo e conteúdo, em sua importância histórica para o livro de Gênesis, eles estão em pé de igualdade;

Esse arranjo de dez grupos e dois períodos decorreu naturalmente do conteúdo e do significado do livro.

Os dois períodos, dos quais consiste a história inicial do reino de Deus em Israel, evidentemente constituem duas grandes divisões, no que diz respeito ao seu caráter interno.

A Remota Implantação do Reino de Deus na Introdução Ao Livro de Gênesis

Podemos claramente entender na Introdução Ao Livro de Gênesis, que tudo o que está relacionado no primeiro período, de Adão a Terá, está obviamente conectado, sem dúvida, ao estabelecimento do reino de Deus em Israel, mas apenas em um grau remoto.

Veja nos fatos da Introdução Ao Livro de Gênesis:

Fato 1:

O relato do paraíso exibe a principal relação do homem com Deus e sua posição no mundo.

Fato 2:

É mostrada a necessidade da interposição de Deus para resgatar os caídos.

Fato 3:

Na promessa que se seguiu à maldição da transgressão, é visto o primeiro vislumbre da redenção.

Fato 4:

A divisão dos descendentes de Adão em uma raça temente a Deus e uma ímpia exibe a relação de toda a raça humana com Deus.

Fato 5:

O dilúvio prefigura o julgamento de Deus sobre os ímpios; e a preservação e bênção de Noé, a proteção dos piedosos da destruição.

Fato 6:

E, finalmente, na genealogia e divisão das diferentes nações, por um lado, e na tabela genealógica de Sem, por outro, prevê-se que a seleção de uma nação seja destinatária e guardiã da revelação divina.

Gênesis – Abraão – O Reino de Deus em Israel

Os preparativos especiais para o treinamento desta nação começam com o chamado de Abraão, e consistem no cuidado prestado a Abraão, Isaac e Jacó, e sua posteridade, e nas promessas que receberam.

Os eventos principais no primeiro período e os indivíduos de destaque no segundo também forneceram, de maneira simples e natural, os pontos de vista necessários para agrupar os materiais históricos de cada um em uma divisão quíntupla.

A prova disso pode ser encontrada se fizermos uma exposição dos capítulos envolventes na Introdução Ao Livro de Gênesis.

Dentro dos diferentes grupos, o arranjo adotado é o seguinte: os materiais são arranjados e distribuídos de acordo com a lei da seleção divina;

As famílias que se ramificaram da linha principal são notadas antes de tudo; e quando eles são removidos do escopo geral da história, o curso da linha principal é descrito de forma mais elaborada e a própria história é levada adiante.

De acordo com esse plano na Introdução Ao Livro de Gênesis, que é estritamente respeitado o seguinte:

  • A história de Caim e sua família precede a de Sete e sua posteridade;
  • A genealogia de Jafé e Cão está diante da de Sem;
  • A história de Ismael e Esaú, antes da de Isaque e Jacó;
  • E a morte de Terá, antes do chamado e migração de Abraão para Canaã.

Percebemos que foi traçado um relacionamento entre Isaque e o Criador que impulsionou tantos outros fatos da revelação do Eterno.

Nesta regularidade da composição, de acordo com um plano estabelecido, o livro de Gênesis pode ser visto claramente como a produção cuidadosa de um único autor.

Autor que analisou o desenvolvimento histórico da raça humana à luz da revelação divina e, assim, exibiu uma Introdução Ao Livro de Gênesis completa e bem organizada à história do reino de Deus do Antigo Testamento.

Você poderá encontrar mais recursos analisando os capítulos de Gênesis escritos no Commentary Critical and Explanatory.

Deixe uma resposta